• Estação Romana da Quinta da Abicada

    Estação Romana da Quinta da Abicada

  • Monumentos Megalíticos de Alcalar - edifício tumular "Alcalar 7"

    Monumentos Megalíticos de Alcalar - edifício tumular "Alcalar 7"

  • Monumentos Megalíticos de Alcalar – interior do edifício tumular "Alcalar 7"

    Monumentos Megalíticos de Alcalar – interior do edifício tumular "Alcalar 7"

  • Monumentos Megalíticos de Alcalar – "Um dia na pré-história"

    Monumentos Megalíticos de Alcalar – "Um dia na pré-história"

  • Castelo de Aljezur – Torre semi-cilindrica

    Castelo de Aljezur – Torre semi-cilindrica

  • Castelo de Aljezur – Muralha e acesso

    Castelo de Aljezur – Muralha e acesso

  • Ermida de N.S. de Guadalupe e Casa rural

    Ermida de N.S. de Guadalupe e Casa rural

  • Panorâmica da exposição no interior da Casa rural

    Panorâmica da exposição no interior da Casa rural

  • Castelo de Loulé – "Música nos Monumentos"

    Castelo de Loulé – "Música nos Monumentos"

  • Torreões do Castelo de Loulé

    Torreões do Castelo de Loulé

  • Ruínas Romanas de Milreu – Casa rural

    Ruínas Romanas de Milreu – Casa rural

  • Ruínas Romanas de Milreu – Pormenor de mosaico

    Ruínas Romanas de Milreu – Pormenor de mosaico

  • Castelo de Paderne

    Castelo de Paderne

  • Castelo de Paderne – Ruína da Ermida de N.S. da Assunção

    Castelo de Paderne – Ruína da Ermida de N.S. da Assunção

  • Ruína da Ermida de N.S. da Assunção - "Música nos Monumentos"

    Ruína da Ermida de N.S. da Assunção - "Música nos Monumentos"

  • Fortaleza e Promontório de Sagres

    Fortaleza e Promontório de Sagres

  • Capela de N.S. da Graça – "Música nos Monumentos"

    Capela de N.S. da Graça – "Música nos Monumentos"

Monumentos do Algarve Bons Momentos Promontório de Sagres Prémio Regional Maria Veleda Património Cultural Imaterial Portal Cultura Portugal

Paco Gomez ToscanoNOTA DE PESAR

Faleceu no passado 24 de Setembro o Professor Doutor Francisco Gómez Toscano, docente jubilado da Universidade de Huelva (Espanha).

Era um apaixonado por Portugal, em particular pelo Algarve e pelo Baixo Alentejo, amigo de muitos arqueólogos com quem partilhou pesquisas e informação, sempre momentos de agradável convívio. Investigador incansável, com um interesse muito especial pelas problemáticas da Idade do Bronze Final e dos Fenícios, no sudoeste da península ibérica e no Mediterrâneo oriental, onde realizou escavações e estudos de materiais fulcrais para o entendimento do povoamento destas regiões.

Pertenceu ao grupo de académicos da Universidade do Algarve e da Universidade de Huelva que impulsionaram a criação dos Encontros de Arqueologia do Sudoeste Peninsular, em 1993, que vai este ano realizar a sua X edição.

À Família enviamos sentidas condolências.

Pela Direcção Regional de Cultura do Algarve,

Alexandra Rodrigues Gonçalves

ConviteInauguração da exposição:50 Livros 50 Algarves

Exposição bibliográfica, organizada no âmbito do Ano Europeu do Património Cultural, dedicado à comemoração da riqueza e diversidade do património a nível europeu, nacional, regional e local.

Até 31 de outubro, a exposição ficará patente em simultâneo na CCDR Algarve, Biblioteca Municipal de Faro, Seminário de Faro, Biblioteca Municipal de Lagoa, Biblioteca Municipal de Vila Real de Santo António, Biblioteca António Rosa Mendes / Universidade do Algarve - Gambelas e Biblioteca Municipal de São Brás de Alportel.

O programa da inauguração inclui conferência e percurso cultural pelo património local (platibandas), sendo que a CONFERÊNCIA inicia-se às 16h30, no Auditório da CCDR Algarve, ESTANDO JÁ ABERTAS AS INSCRIÇÕES aqui: https://www.ccdr-alg.pt/site/node/6427/register

Esta iniciativa é uma parceria da CCDR Algarve, Direção Regional de Cultura, Biblioteca Municipal de Faro, Diocese do Algarve, Biblioteca Municipal de Lagoa, Biblioteca Municipal de Vila Real de Santo António, Biblioteca António Rosa Mendes / Universidade do Algarve - Gambelas e Biblioteca Municipal de Silves, Arquivo Distrital de Faro e Museu Municipal de Faro.

Helena AlmeidaNOTA DE PESAR

O Ministro da Cultura, Luís Filipe de Castro Mendes, lamenta profundamente a morte de Helena Almeida.

Consagrada artista plástica, nacional e internacionalmente, Helena Almeida contactou desde cedo com o universo artístico. Estudou Pintura na Escola Superior de Belas Artes, em Lisboa, foi bolseira da Fundação Calouste Gulbenkian em Paris e, em 1967, fez a sua primeira exposição individual de pintura na Galeria Buchholz.

A sua reflexão sobre o suporte da arte é já visível nesta primeira exposição, gesto que se prolongou ao longo dos mais de 50 anos de carreira artística. Helena Almeida soube romper com os limites físicos da pintura, confinada à tela, emprestando-lhe uma densidade que transgredia as fronteiras rígidas desse espaço altamente simbólico.

A singularidade do seu olhar sobre a criação e o processo artístico sustenta-se ainda num comprometimento direto com o seu próprio corpo, exposto na dupla condição biográfica e ficcional. De certo modo, na sua relação com o corpo, Helena Almeida fixava também um olhar sobre a mulher através da história da arte, e em particular na história da arte portuguesa, procurando inscrever uma memória que antecedia e prolongava o que nela escolhia fixar.

O uso da fotografia, que se tornou o centro da sua expressão artística a partir dos anos 1990, vincará ainda uma preocupação com a passagem do tempo, expressa num trabalho onde o corpo passa a ser a primeira tela a ser habitada. Os vários processos de apagamento e descoberta a que sujeitava a tela e a imagem nela impressa, ampliam uma visão sobre o objeto artístico enquanto obra em contínuo processo de construção.

Presente nas mais importantes coleções públicas e privadas, o seu trabalho nunca deixou de ser estudado, exposto e considerado com um dos mais importantes do século XX português, assim provam as várias exposições antológicas em Santiago de Compostela e Nova Iorque (2000), Madrid (2008) ou Paris (2016). A pertinência e atualidade do seu trabalho provam-se ainda pela recente inauguração em Madrid, na Galeria Helga de Averlar, e em Londres, na Tate Modern. Também o Centro Cultural de Belém e a Fundação de Serralves dedicaram importantes exposições a uma artista que representou Portugal na Bienal de São Paulo (1979), na Bienal de Veneza (1982 e 2004) e na Bienal de Sidney (2004).

À Família enviam-se sentidas condolências.

26 de setembro de 2018

Luís Filipe de Castro Mendes

António EscudeiroNOTA DE PESAR

O Ministro da Cultura, Luís Filipe de Castro Mendes, lamenta a morte de António Escudeiro.

Nascido na cidade do Lobito, em Angola, a 2 de julho de 1933, o realizador de cinema e diretor de fotografia assinou filmes como “Kilas o Mau da Fita” (1980), “Os Demónios de Alcácer Quibir” (1976), o documentário “Separados Nós” (1999) ou a curta-metragem “Velocidade de Sedimentação” (2008). Membro honorário da Associação de Imagem Cinema e Televisão Portuguesa, António Escudeiro realizou ainda vários programas e documentários para a RTP.

Defensor da cultura portuguesa, reconhecido pela sua técnica e criatividade, foi diretor de fotografia de cerca de 45 curtas, longas-metragens e documentários e realizador de mais de 200 filmes publicitários.

António Escudeiro foi um cineasta completo e deixa um legado imenso ao cinema e audiovisual nacional. Muitas das suas obras enquanto realizador, bem como o seu trabalho de fotografia com diversos realizadores icónicos do cinema português, deram um contributo de relevo e de qualidade para a história da cinematografia em Portugal.

À Família, enviam-se sentidas condolências.

24 de setembro de 2018

Luís Filipe de Castro Mendes

JORNADAS EUROPEIAS DO PATRIMÓNIO“PARTILHAR MEMÓRIAS” -Para um Futuro do Património

JORNADAS EUROPEIAS DO PATRIMÓNIO

“As cidades fazem-se todos os dias. Umas envelhecem, outras tornam-se antigas.

Acontece o mesmo com as pessoas... o futuro instalou a sua distância naquilo que é o presente e a recordação é o que está depois do que foi vivido, como se fosse a memória a construir o dia de amanhã...” In Regresso ao Branco

Nos dias 28, 29 e 30 de setembro comemora-se por toda a Europa as “Jornadas Europeias do Património”(JEP) com o tema “Partilhar Memórias”.

O programa que se apresenta vai ao encontro do tema proposto e espelha ainda os princípios da Convenção – Quadro de Faro, onde o património é concebido de uma forma mais abrangente, holística, integrando não apenas os elementos patrimoniais físicos ou intangíveis reconhecidos oficialmente, mas também os elementos que são valorizados e reconhecidos pelas comunidades.

Pretende-se que todos, incluindo a comunidades se sintam integrados no desenvolvimento de projetos culturais com abordagens mais participativas e colaborativas, no sentido de que as memórias e heranças culturais são recursos importantes para o diálogo e debate democrático, funcionando ainda como instrumentos de promoção da qualidade de vida e bem-estar das pessoas, comunidades e sociedades.

Projetos realizados pelas comunidades, como uma nova “rosa dos ventos” a construir pelas crianças na Fortaleza de Sagres, a partilha de memórias ancestrais ligadas ao templo de Guadalupe, ou a sensibilização para uma arte artesanal - a destila do medronho – que depende de um Património Natural tão sensível como o da Serra de Monchique, que muito recentemente colocou muitos de nós “de olhos postos” na serra e de luto pela perda de tão valiosíssimo bem.

A pensar em Todo este Património que queremos preservar a D.R. de Cultura do Algarve apresenta:

1. A programação das JEP abre com projeto “Cachecol que abraça Portugal”, mostra a inaugurar na Fortaleza de Sagres, no dia 28 de Setembro, às 10 horas. Este é um projeto pedagógico que nasceu no Jardim de Infância de Vila do Bispo, que pretende reactivar uma tradição que se encontra em desuso (o tricot). O projeto cresceu, chegou a outras escolas, lares e famílias do país, cruzou fronteiras, voou e navegou para outros países europeus. Agora regressa a casa, ao mesmo concelho que o viu nascer, enriquecido com novos cachecóis, com outros “saberes” provenientes de outras mãos, de países de paragens distantes.

A “Rosa dos Ventos” na Fortaleza de Sagres foi o motivo de inspiração dos vários trabalhos que agora se apresentam neste monumento e uma nova “rosa dos ventos” será re- inventada pelas mãos das crianças do Jardim de Infância e feita com o contributo de todos. Projeto da autoria de Lina Nascimento - JI de Vila do Bispo/Agrupamento de Escolas de Vila do Bispo e conta com a colaboração da Câmara Municipal de Vila do Bispo.

2. “Noites Fantásticas em Guadalupe”, um projeto da Vicentina Associação para o Desenvolvimento do Sudoeste, terá lugar na Ermida de Nª Sra de Guadalupe no dia 29 de Setembro, das 20h30 às 22h30. Um espetáculo de Spoken Word, com Napoleão Mora, música e performance de SICKONCE (Rafael Correia) e Ed Hoster (Edgar Valente), onde o público será convidado a refletir sobre a importância da existência do nosso património. Projeto que conta com a participação especial do Grupo Coral da Santa Casa da Misericórdia de Vila do Bispo. Adivinha-se mais uma Noite Fantástica, uma Noite de Evocação aos Sentidos e às Memórias deste Lugar.

3. Explorando o espaço das Ruínas Romanas de Milreu, no dia 29 de setembro, pelas 19h, acompanhando o pôr do sol, será apresentada a produção “Regresso ao Branco”. Percorrendo um percurso temático, seguido por uma instalação sonora, o público terá oportunidade de explorar o Monumento de uma forma diferente, enquanto as personagens, um coral feminino e crianças irão tecendo entre si os fios de uma filigrana que as confrontará com o espelho do tempo, com o espírito do lugar.

“Regresso ao Branco” é uma co- produção entre a Associação Música XXI, o Teatro DoisMaisUm, o Coral “Outras Vozes” e o Agrupamento de Escolas Pinheiro e Rosa. Tem a autoria de Ana Oliveira e a encenação de António Gambóias.

4. O filme “Medronho Todos os Dias - Unedo Omnes Dies” de Sílvia Coelho e Paulo Raposo, irá encerrar a Mostra de Cinema documental “Um Mar de Filmes!” nos Monumentos Megalíticos de Alcalar no dia 29 de setembro, pelas 21 horas.

Este filme acompanha o saber singular do processo de produção da aguardente de medronho e a sua presença por toda a região de Monchique, Algarve, através da voz (e do corpo) dos destiladores que prolongam esta arte artesanal. O seu isolamento na serra e o seu paciente labor revelam uma noção particular do tempo e esforço inseparáveis do enraizamento ancestral deste conhecimento empírico. Conta com a participação especial do Grupo Coral da Confraria do Medronho “Os Monchiqueiros” e inclui prova de Medronho. “Um Mar de Filmes!” é um projeto do Rizoma Lab - Associação Cultural

Para mais informações: mardefilmes.rizomalab.pt

Vídeo-teaser https://www.youtube.com/watch?v=4c_Kc6Eu8R4

 

No dia 30 de setembro a entrada nos Monumentos será gratuita.

 

Contactos:

Direção Regional de Cultura do Algarve

geral@cultalg.gov.pt

Telef. 289 896070

_________________________________________

Fortaleza de Sagres

fortaleza.sagres@cultalg.gov.pt

Telf. 282 620 140

Cinema documental “Um Mar de Filmes!”Cinema documental “Um Mar de Filmes!”

Integrado na Mostra de Cinema documental “Um Mar de Filmes!”, “Pedra e Cal” de Catarina Alves Costa, será exibido, no dia 22 de setembro, na Ermida de Nossa Senhora de Guadalupe (Raposeira/Vila do Bispo), pelas 21 horas.

Este documentário aborda as casas rurais no sudoeste alentejano, em muito semelhantes às regiões do Algarve, mostrando a relação entre o presente e memórias evocadas na intimidade do lar. Um inquérito às emoções e ao imaginários social a que está ligada a arquitetura tradicional e os 0bjetos interiores das casa que expõem um passado vivido como nostálgico e duro mas cujos traços ainda se encontram na paisagem.

“Um Mar de Filmes!” é um projeto do Rizoma Lab - Associação Cultural, que tem a coordenação artística e curadoria de Luísa Baptista, produção técnica de Pedro Glória e conta com Carolina Rufino e Diogo Vilhena como programadores associados.

Para mais informações:

mardefilmes.rizomalab.pt

Vídeo -teaser: https://www.youtube.com/watch?v=4c_Kc6Eu8R4

Esta ação está integrada no DiVaM 2018 – Dinamização e Valorização dos Monumentos – programa cultural organizado pela Direção Regional de Cultura do Algarve.

 

Contactos:

Direção Regional de Cultura do Algarve

geral@cultalg.gov.pt

Telef. 289 896 070

_________________________________________

Fortaleza de Sagres

fortaleza.sagres@cultalg.gov.pt

Telf. 282 620 140

As Desfiadoras“Património, Que futuro?”

 

No dia 22 de setembro, pelas 17 horas, o Castelo de Aljezur acolhe mais uma iniciativa DiVAM, que nos desafia a reflectir sobre o futuro do património.

A performance “As Desfiadoras”, através da história deste lugar, três moiras convidam, entre contos, cantos e poesia, o público a questionar-se sobre a importância da História, da Cultura, como da sua responsabilidade na caminhada humana, perante o seu percurso pessoal. Um espetáculo com uma componente estética simbólica, onde um fio, em constante movimento, entrelaça-se nas mãos das moiras e do público, criando uma teia onde todos se vêm envolvidos.

“As Desfiadoras” é um projeto promovido pela Teia D Ìmpulsos – Associacao Social, Cultural e Desportiva da autoria e encenação de Ana Machado e Carla Moreira. 

Integrada no DiVaM 2018 – Dinamização e Valorização dos Monumentos – programa cultural organizado pela Direção Regional de Cultura do Algarve conta com os contadores: Ana Machado, Carla Moreira e Joana Espiñal e no som com Pedro Guerreiro.

 

 

Contactos:

Direção Regional de Cultura do Algarve

geral@cultalg.gov.pt

Telef. 289 896 070

_________________________________________

Fortaleza de Sagres

fortaleza.sagres@cultalg.gov.pt

Telf. 282 620 140

Lobo AntunesNOTA DE CONGRATULAÇÃO

O Ministro da Cultura, Luís Filipe de Castro Mendes, felicita vivamente o escritor António Lobo Antunes pela integração da sua obra na prestigiada coleção francesa Pléiade, e considera que este é um justo e merecido reconhecimento a um dos maiores escritores portugueses de todos os tempos.

Fundada em 1931, a Pléiade reúne exclusivamente as maiores referências na produção literária e filosófica mundial. Até agora, Fernando Pessoa era o único autor português detentor deste enorme prestígio.

O Ministro da Cultura, que já teve oportunidade de felicitar pessoalmente o escritor, considera que este é um momento ímpar e particularmente feliz para a literatura portuguesa.

A distinção internacional agora atribuída a Lobo Antunes é expressão maior da grandeza e do significado da sua vasta obra literária, da qual estamos profundamente orgulhosos.

Parabéns, António Lobo Antunes!

Luís Filipe de Castro Mendes

13 setembro, 2018

NOTA DE PESAR

O Ministro da Cultura manifesta o seu pesar pela morte de Maria Helena Mendes Pinto.

Maria Helena Mendes Pinto tirou o Curso de Artes Decorativas da Fundação Ricardo do Espírito Santo Silva. Em 1959, iniciou a sua formação de Conservadora no Museu Nacional de Arte Antiga, sob a orientação do então Diretor desse museu, Dr. João Couto.

Profunda conhecedora das artes decorativas portuguesas e da história da presença dos Portugueses no Oriente, assim como das Artes miscigenadas constituídas a partir dessa presença, organizou as seções de Mobiliário e de Artes da Expansão no Museu Nacional de Arte Antiga, em Lisboa, e comissariou nesse museu, no Mosteiro dos Jerónimos (por ocasião da XVII Exposição do Conselho da Europs) e no estrangeiro (Festival Europalia Portugal, Paris, Jakarta, entre outros locais) importantes exposições sobre essas temáticas.

Maria Helena Mendes Pinto contribuiu igualmente para a criação de museus no nosso país. Por iniciativa da Fundação Calouste Gulbenkian, que em 2003 a homenageou, e com o apoio do Estado Português, promoveu ainda a criação de museus na Índia, nomeadamente em Goa e em Cochim.

Museóloga experiente, Maria Helena Mendes Pinto sempre soube associar ao trabalho de investigação uma notável capacidade de intervenção no campo da organização e preservação dos acervos, contribuindo para formar várias gerações de conservadores de museus.

À Família enviam-se sentidas condolências.

Visita do Senhor Ministro da Cultura, Luís Filipe de Castro Mendes ao Castelo de Paderne

INFORMAÇÃO DE AGENDA

10 de setembro, 2018

Visita às Obras do Castelo de Paderne

11h00

- Chegada do Ministro da Cultura e do Presidente da Fundação Millennium BCP aos Paços do Concelho. Assinatura do Livro de Honra.

11h45

Início da visita ao Castelo de Paderne.

- Breve explicação, junto à Torre Albarrã, da intervenção efetuada este ano no Castelo.

- Intervenções do Presidente do Município de Albufeira, Presidente da CCDR Algarve, Presidente da Fundação Millennium BCP e Ministro da Cultura.

- Visita ao interior do Castelo e explicação sobre as futuras intervenções, pela DRCALG e pelo Município de Albufeira.

Sagres, Monumentos Megalíticos de Alcalar e Ermida de Nª Sra de Guadalupe

CartazUm Mar de Filmes! Mostra de cinema documental de cariz etnográfico ao ar livre encontra-se a decorrer em 3 monumentos da região do barlavento algarvio: Fortaleza de Sagres, Monumentos Megalíticos de Alcalar e Ermida de Nª Sra de Guadalupe, nos sábados de setembro.

A próxima exibição será do filme “É na Terra não é na Lua” de Gonçalo Tocha, nos Monumentos Megalíticos de Alcalar, no dia 8 de Setembro, pelas 21 horas.

A ilha do Corvo é a ilha mais pequena do Arquipélago dos Açores. É formada por uma única montanha vulcânica extinta, o Monte Gordo coroado por uma cratera onde se aloja a Lagoa do Caldeirão. Tem uma única vila habitada por 450 pessoas, uma estrada, uma Câmara Municipal, um avião 3 vezes por semana, um posto médico, um infantário, uma escola e uma igreja e um restaurante. Em 2007 um operador de câmara e um técnico e som chegam à ilha dispostos a filmar tudo o que ali se passa. Aos poucos, são tratados como família pelos seus habitantes e, com eles, vão contar a si História e as suas histórias. Primeiras pessoas a habitar a ilha: Algarvios.

Os Monumentos Megalíticos de Alcalar são templos funerários megalíticos, edificados e usados como sepulcros coletivos e espaços cerimoniais ao longo de vários séculos, no período Calcolítico (III milénio a.C.). Constituem uma notável necrópole monumental relacionada com uma antiga povoação pré-histórica. Os monumentos do agrupamento oriental da necrópole – Alc7 e Alc9 – estão museografados e podem visitar-se, dispondo de um Centro de Interpretação (encerra às segundas-feiras e feriados principais).

“Um Mar de Filmes!” um projeto do Rizoma Lab - Associação Cultural e tem a coordenação artística e curadoria de Luísa Baptista, produção técnica de Pedro Glória e conta com Carolina Rufino e Diogo Vilhena como programadores associados.

Monumentos Megalíticos de Alcalar | 08 de Setembro | 21 horas - Exibição do filme “ É na Terra não é na Lua” de Gonçalo Tocha;

Fortaleza de Sagres | 15 de Setembro | 21 horas - Exibição do filme “ A Mãe e o Mar” de Gonçalo Tocha;

Ermida de Nª Sra de Guadalupe | 22 de Setembro | 21 horas - Exibição do filme “ Pedra e Cal” de Catarina Alves Costa;

Monumentos Megalíticos de Alcalar | 29 de Setembro | 21 horas - Exibição do filme “Medronho todos os Dias – Unedo Omnes Dies”de Sílvia Coelho e Paulo Raposo. (Jornadas Europeias do Património) .

“Medronho Todos os Dias” fará o encerramento da Mostra. Este filme acompanha o saber singular do processo de produção de aguardente de medronho e a sua presença por toda a região de Monchique. Esta sessão conta com a presença do Grupo Coral da Confraria de Medronho, seguido de uma prova de medronho.

“Um Mar de Filmes!” está integrado no DiVaM 2018 – Dinamização e Valorização dos Monumentos – programa cultural organizado pela Direção Regional de Cultura do Algarve e tem a colaboração do Museu Municipal de Portimão/ Câmara Municipal de Portimão e apoio da Quinta do Barranco Longo.

Para mais informações: http://mardefilmes.rizomalab.pt

Vídeo -teaser: https://www.youtube.com/watch?v=4c_Kc6Eu8R4

NOTA DE CONGRATULAÇÃO

O Ministro da Cultura, Luís Filipe de Castro Mendes, congratula o tenor Luís Gomes pelo Prémio Zarzuela (ex-aequo com Pavel Petrov) e o Prémio do Público para melhor voz masculina no Operalia, prestigiado concurso internacional de ópera que decorreu pela primeira vez em Portugal, no Teatro Nacional de São Carlos.

Apontado como uma estrela em ascensão e detentor de um nível artístico surpreendente para a sua idade, Luís Gomes, 31 anos, estudou no Conservatório Nacional de Lisboa e na Escola Superior de Música de Lisboa. O jovem tenor português prosseguiu os estudos em Londres, licenciou-se em Canto e fez mestrado em Ópera na Guildhall School of Music and Drama, tendo também estudado no National Opera Studio.

O seu talento não passou despercebido e foi selecionado para fazer parte do prestigiado programa para jovens cantores da Royal Opera House, o Jette Parker Young Artists Program (JPYAP). Foi durante o JPYAP que se estreou como Fenton na ópera Falstaff, tornando-se no primeiro cantor português a representar um papel principal no palco da Royal Opera House.

Cantou sob direção de reputados maestros como Sir Antonio Pappano e Sir Simon Rattle. Petite Messe Solennelle de Rossini, Missa a St Cecilia de Gounod, Stabat Mater de Dvorak, Missa em Dó Menor e Requiem de Mozart, Requiem de Verdi, A Criação de Haydn, Missa em Mib e Intende Voci de Schubert, são algumas das peças do seu repertório de concerto.

Venceu o prémio Basil A Turner Prize para melhor cantor (2012) e o Bruce Miller/Gulliver Prize (2013). E ao longo da sua careira foi distinguido com várias bolsas de estudo. Desde 2012 que é um Samling Artist e formando da Georg Solti Accademia di Belcanto.

Com dois prémios no Operalia 2018, o tenor Luís Gomes soma, assim, uma distinção de peso no seu já vasto e impressionante currículo.

3 de Setembro de 2018

Congresso "Ciência, Cultura e Turismo Sustentável"

Algarve 2020Algarve 2020 lança mais cinco concursos

O Programa Operacional CRESC ALGARVE 2020 publicou mais cinco avisos de apoio às associações empresariais e empresas para projetos de investimento nas áreas da Competitividade e da Internacionalização, disponibilizando 3 Milhões de Euros para o efeito.

Integrados no sistema de apoio a ações coletivas, os novos concursos visam a promoção do espírito empresarial; a internacionalização dos setores turismo, mar, agroalimentar, tecnologias de informação e comunicação (TIC) e indústrias culturais e criativas (ICC), domínios considerados prioritários na Estratégia Regional de Investigação e Inovação para a Especialização Inteligente (RIS 3 Algarve); qualificação; e, centros de incubação de base tecnológica.

Entre outras, até 30 de outubro, podem apresentar candidaturas e beneficiar destes apoios as entidades previstas no n.º 3 do artigo 130º do RECI - Regulamento Específico do Domínio da Competitividade e Internacionalização (última versão publicada através da Portaria n.º 217/2018, de 19 de julho), como associações empresariais, entidades não empresariais do sistema de I&I, agências e entidades públicas.

Para mais informações aqui