• Estação Romana da Quinta da Abicada

    Estação Romana da Quinta da Abicada

  • Monumentos Megalíticos de Alcalar - edifício tumular "Alcalar 7"

    Monumentos Megalíticos de Alcalar - edifício tumular "Alcalar 7"

  • Monumentos Megalíticos de Alcalar – interior do edifício tumular "Alcalar 7"

    Monumentos Megalíticos de Alcalar – interior do edifício tumular "Alcalar 7"

  • Monumentos Megalíticos de Alcalar – "Um dia na pré-história"

    Monumentos Megalíticos de Alcalar – "Um dia na pré-história"

  • Castelo de Aljezur – Torre semi-cilindrica

    Castelo de Aljezur – Torre semi-cilindrica

  • Castelo de Aljezur – Muralha e acesso

    Castelo de Aljezur – Muralha e acesso

  • Ermida de N.S. de Guadalupe e Casa rural

    Ermida de N.S. de Guadalupe e Casa rural

  • Panorâmica da exposição no interior da Casa rural

    Panorâmica da exposição no interior da Casa rural

  • Castelo de Loulé – "Música nos Monumentos"

    Castelo de Loulé – "Música nos Monumentos"

  • Torreões do Castelo de Loulé

    Torreões do Castelo de Loulé

  • Ruínas Romanas de Milreu – Casa rural

    Ruínas Romanas de Milreu – Casa rural

  • Ruínas Romanas de Milreu – Pormenor de mosaico

    Ruínas Romanas de Milreu – Pormenor de mosaico

  • Castelo de Paderne

    Castelo de Paderne

  • Castelo de Paderne – Ruína da Ermida de N.S. da Assunção

    Castelo de Paderne – Ruína da Ermida de N.S. da Assunção

  • Ruína da Ermida de N.S. da Assunção - "Música nos Monumentos"

    Ruína da Ermida de N.S. da Assunção - "Música nos Monumentos"

  • Fortaleza e Promontório de Sagres

    Fortaleza e Promontório de Sagres

  • Capela de N.S. da Graça – "Música nos Monumentos"

    Capela de N.S. da Graça – "Música nos Monumentos"

Monumentos do Algarve Bons Momentos Promontório de Sagres Prémio Regional Maria Veleda Património Cultural Imaterial Portal Cultura Portugal

Em Destaque

Oficina das Viagens

Oficina das Viagens

Há festa em Milreu no dia 16 de novembro pelas 16h.

Com antestreia de uma curta-metragem experimental de Hernâni Duarte Maria, Dj Beecuts e cerimónia de entrega do objeto de uso pessoal aos miúdos & graúdos participantes na 'Oficina das Viagens em Milreu'.

Um projeto do Cineclube de Faro desenvolvido no âmbito do Programa DIVaM (Dinamização e Valorização dos Monumentos) da Direção Regional de Cultura do Algarve e com o apoio da União de Freguesias de Conceição e Estoi.

O projeto consistiu num conjunto de oficinas de exploração, de escrita e de desenho de que resultou a criação de um objeto de design de uso pessoal. As atividades foram desenvolvidas e orientadas por Isa Catarina Mateus e Bruno Cortes e contaram com a participação ativa dos alunos da Escola EB1 de Estoi e utentes da União Freguesias de Conceição e Estoi.

Descobrimentos, Migrações e Viagens | Fortaleza de Sagres | 9 de novembro

Filme “Kon Tiki – A Viagem Impossível”

“Descobrimentos, Migrações e Viagens” - Ciclo de cinema e debates encerra no próximo dia 9 de novembro, com a exibição do filme “Kon Tiki – A Viagem Impossível”, a acontecer na Fortaleza de Sagres, pelas 17horas.

“Kon Tiki – A Viagem Impossível” é um filme norueguês, realizado em 2012, por Joachim Rønning e Espen Sandberg, que retrata a aventura do explorador e etnógrafo Thor Heyerdahl (1914 – 2002) na expedição que realizou em 1947, pelo Oceano Pacífico, apenas com uma tripulação de 5 pessoas, com o intuito de demonstrar a possibilidade da colonização da Polinésia por via marítima, pelos povos sul americanos.

O debate será conduzido pelos biólogos marinhos André Dias e Daniel Machado.

Kon Tiki era o nome do barco, em género de jangada, construído pelo próprio Heyerdahl com recurso a técnicas tradicionais indígenas e utilizando toras de madeira balsa e outros materiais nativos. Apesar da existência de rádio, relógios, sextantes e mapas a bordo, o barco foi conduzido apenas pelas marés, correntes e força do vento, que é quase uma constante na direção este-oeste ao longo do Equador.

O filme foi indicado ao Globo de Ouro para Melhor Filme Estrangeiro e ao Óscar de Melhor Filme Estrangeiro, no ano de 2013.

“Descobrimentos, Migrações e Viagens” é um projeto do Cineclube de Faro que integra o DiVaM – Dinamização e Valorização dos Monumentos – programa cultural organizado pela Direção Regional de Cultura do Algarve.

ENTRE PASSADO E FUTURO ONDE FICAM OS MUSEUS?

III Jornadas da Rede de Museus do Algarve

Cartaz18 de Novembro de 2019
AUDITÓRIO MUNICIPAL DE ALBUFEIRA


“Entre Passado e Futuro onde ficam os Museus?”, será o tema das III Jornadas da RMA-Rede de Museus do Algarve, que este ano terão lugar, no Auditório Municipal de Albufeira, no próximo dia 18 de Novembro e nas quais se procurará debater o lugar e a responsabilidade dos museus enquanto instituições, onde o seu PRESENTE se revela através de uma permanente, intemporal e dinâmica relação cultural, científica e social, entre PASSADO e FUTURO.
Pretende-se refletir sobre a necessidade de uma nova política e ação museológica, que simultaneamente se posicione entre a salvaguarda, valorização e comunicação da diversidade de coleções e tipologias de património e a necessidade de um posicionamento mais atual e participativo, atento às crescentes desigualdades e barreiras sociais, às questões ambientais, aos impactes da revolução tecnológica e digital, bem como ao emergir de novas realidades patrimoniais e culturais;
As III Jornadas da RMA, serão igualmente um momento oportuno para repensar novas formas de diálogo, práticas de proximidade, inclusão, cooperação e interação mais efetiva com os seus públicos e utilizadores, abertura a projetos de parceria com as comunidades envolventes, questionando criativamente a missão e os limites da intervenção museológica, enquanto laboratório ativo de ideias e temas socialmente relevantes.
Finalmente pretende-se contribuir para o desenvolvimento evolutivo e dinâmico da própria definição de museu e dos seus novos desafios, prosseguindo e desenvolvendo a política formativa e interventiva da Rede de Museus de Algarve e dos seus profissionais.

Programa do evento

"O Reyno das Letras: a cultura letrada no Algarve (1759-1910)"

de Patrícia de Jesus Palma

Convite: O Reyno das Letras

Na Biblioteca Municipal de Faro, pelas 15h, de 9 de novembro (sábado), com entrada livre, decorre a apresentação da obra O Reyno das Letras: a cultura letrada no Algarve (1759-1910), da autoria de Patrícia de Jesus Palma, em edição da Direção Regional de Cultura do Algarve.

O livro reorganiza, para o Algarve, uma cartografia cultural panorâmica dos últimos três séculos, a partir de casos e indicadores concretos, que contradizem as tradicionais representações historiográficas de uma região culturalmente isolada, marginal e desatualizada.

A investigação corporizada nesta obra, usando como ponto de partida as instituições, as gentes, os livros e as leituras de que os arquivos e as bibliotecas espalhadas pelo país guardam a memória, demonstra que o Algarve é parte integrante da história sobre os caminhos da cultura escrita no mundo.

A apresentação de O Reyno das Letras: a cultura letrada no Algarve (1759-1910) está a cargo do Professor Doutor João Luís Lisboa (Universidade Nova de Lisboa).

Patrícia de Jesus Palma, natural de São Marcos da Serra, é licenciada em Línguas e Literaturas Modernas – variante de Estudos Portugueses pela Universidade do Algarve, com mestrado e doutoramento pela Universidade Nova de Lisboa, em Estudos Portugueses, respetivamente nas especialidades de Literatura Portuguesa Contemporânea e História do Livro e Crítica Textual.

Na atualidade, é investigadora integrada do CHAM – Centro de Humanidades da FCSH/UNL, onde desenvolve temas como a circulação cultural no espaço europeu e transatlântico, a história e património da imprensa, ou as relações entre a cultura e o desenvolvimento territorial.

Em paralelo, desde 2018, atua no Lugar Comum, projeto que criou para investigação, consultadoria, ação cultural e ação educativa e que tem como principais objetivos fomentar o acesso ao conhecimento e à fruição cultural.

Património algarvio esculpido na SandCity

Património algarvio esculpido na SandCity

A Fortaleza de Sagres, as escarpas da costa vicentina, a milenar indústria conserveira de Portimão e a paisagem da Serra de Monchique são alguns dos elementos que foram esculpidos na SandCity, em Lagoa, numa homenagem à história e à cultura do Algarve.

Estas esculturas foram realizadas no âmbito do projecto “Valorização do Património Histórico e Cultural Algarvio”, desenvolvida em parceria com a Direção Regional de Cultura do Algarve e vários municípios com o objectivo de criar uma sinergia entre os vários espaços culturais do Algarve.

Por outro lado, sendo A volta ao mundo o tema da exposição de areia da SandCity, em que estão retratados vários continentes e países, a representação do património do Algarve é, também, uma forma de sensibilizar os visitantes para o que está mais perto.

Na SandCity pode ser vista a maior exposição de escultura em areia já construída, num espaço de cerca de seis hectares, em que 65 mil toneladas de areia foram transformadas em esculturas detalhadas e de grandes dimensões que ilustram monumentos, animais e pessoas de várias partes do mundo.

Para este projeto de valorização do património algarvio foram, até agora, utilizadas vinte mil toneladas de areia esculpidas, por exemplo, num pescador que apanha percebes num rochedo característico da costa vicentina, batido pelas ondas do mar ou figura de uma moura encantada que terá originado uma fonte de água termal.

Fortaleza Sagres na SandCityAo nível do património arquitetónico do Algarve pode ver-se, além da Fortaleza de Sagres, a Capela de Santa Guadalupe, construída em meados do século XV, o Farol do Cabo de São Vicente, situados no concelho de Vila do Bispo, e as chaminés de saia de Monchique.

A indústria conserveira, que teve grande importância na economia algarvia, está representada através de elementos da sua história, desde o romano que salga peixe para o colocar em ânforas até à operária da fábrica La Rose, em Portimão, que, em meados do século XX, coloca as sardinhas na lata.

A SandCity, encerra a 8 de novembro e, até lá, está aberta todos os dias das 10:00h às 19:00h, oferecendo várias atividades lúdicas e culturais para todas as idades e desconto de 50% para todos os residentes do Algarve, ficando assim o bilhete por 5,95 euros para adultos e 2,95 euros para crianças.

A Direcção Regional de Cultura do Algarve (DRCA) junta-se às Jornadas Europeias do Património

erminda-nossa-senhora-guadalupeErmida de Nossa Senhora de Guadalupe: Experiência global e multi-sensorial num templo rural

A Ermida de Nossa Senhora de Guadalupe constitui um ponto marcante no território na viagem entre Lagos e Sagres e integra-se numa paisagem ondulante de suaves colinas onde afloram os arenitos, o designado grés de Silves, ou “pedra farinheira”, como na região de Vila do Bispo é conhecida.

Reconhecido como um dos mais antigos testemunhos do gótico na região algarvia e um importante elemento patrimonial de particular relevância histórica, este templo constitui nos dias de hoje um importante lugar de memória para as comunidades locais.

O “Projeto de Acessibilidade Física, Informativa e Sensorial”, recentemente aprovado pelo Turismo de Portugal, no âmbito de uma candidatura da Direção Regional de Cultura do Algarve à Linha de Apoio ao Turismo Acessível do “Valorizar – Programa de Apoio à Valorização e Qualificação do Destino”, pretende munir o edifício da ermida de condições de acessibilidade física, informativa e sensorial, de forma compatível e coerente com a dimensão sagrada deste espaço, com as crescentes necessidades devido à afluência de públicos e com as dinâmicas especificas de funcionamento deste monumento nacional.

(+ texto completo da participação da DRCAlg no suplemento do Postal Cultura Sul)

 

Rede de teatro e CineteatrosRede de Teatros e Cineteatros Portugueses (RTCP)

Foi publicada no dia 2 de setembro a Lei n.º 81/2019 que cria a Rede de Teatros e Cineteatros Portugueses (RTCP), sendo igualmente estabelecido o programa de apoio à programação dos teatros e cineteatros que a integram.

A RTCP visa a descentralização de recursos, o planeamento, a mediação, a qualificação e a cooperação entre os teatros e cineteatros existentes no País, bem como a promoção da qualificação dos recursos humanos a eles afetos.

A RTCP é composta pelos teatros e cineteatros existentes no território nacional, nomeadamente municipais, que pretendam aderir voluntariamente e sejam credenciados.

Esta lei aplica-se aos teatros e cineteatros que correspondam a instituições de caráter permanente, dotadas de uma estrutura organizacional com condições para a realização regular de espetáculos de natureza artística e que garanta uma programação que fomente a democratização do acesso à cultura, a cooperação institucional entre os diferentes níveis de administração, a participação na correção de assimetrias, a coesão territorial e o desenvolvimento das populações.

Esta lei entra em vigor no dia 1 de janeiro de 2020.

in DGARTES 

A EUROPA COA Europa começa aquiMECA AQUI !

Marca do Património Europeu

A Fortaleza de Sagres vai acolher a exposição “A Europa começa Aqui! - Marca do Património Europeu” no próximo dia 1 de setembro, pelas 17 horas.

A Marca do Património Europeu é uma iniciativa do Parlamento Europeu e do Conselho da União Europeia que tem como principal objetivo reforçar o sentimento de pertença à União Europeia por parte dos seus cidadãos, em especial dos jovens, com base nos valores e elementos comuns da história e do património cultural, valorizar a diversidade nacional e regional e incrementar o diálogo intercultural.

A Marca do Património Europeu distingue lugares patrimoniais, sítios, monumentos, paisagens culturais e documentos que comemoram, simbolizam a integração europeia, os ideais, os valores e a história da União Europeia, tendo já sido distinguidos 38 sítios com esta marca, um dos quais o Promontório de Sagres.

Finisterra emblemática e evocativa de um período marcado pelas viagens de exploração marítima e pela expansão da civilização europeia no seu caminho para o projeto global que veio a definir o mundo moderno, o Promontório de Sagres representa um lugar de vanguarda da nossa herança histórica e é um símbolo de integração europeia e de um caminho partilhado de liberdade, de intercâmbio cultural e de democracia.

Para além do Promontório de Sagres, Portugal tem atualmente outros 2 sítios distinguidos como Marca do Património Europeu, designadamente, a Biblioteca Geral da Universidade de Coimbra, uma das primeiras na Europa a organizar o seu acervo em catálogos temáticos e a permitir o acesso a livros proibidos, e a Carta de Lei da Abolição da Pena de Morte (1867), que coloca Portugal como um dos primeiros países europeus a inscrever, no seu sistema legal, uma lei de abolição da pena de morte para crimes civis.

No ato de inauguração haverá lugar a um beberete para os convidados, com o patrocínio dos vinhos pela Quinta do Barranco Longo.

A exposição poderá ser visitada todos os dias, de 1 de setembro até 10 de novembro, com o seguinte horário: em setembro das 9h30 às 20h00 e em outubro e novembro das 9h30 às 17h30.

Venha descobrir este e outros lugares que foram distinguidos com a Marca do Património Europeu.

Ribal de ArrifanaCultura estabelece protocolo para requalificar Ribat da Arrifana

A área governativa da Cultura, o Município de Aljezur, a Universidade Nova de Lisboa e o Aga Khan Trust for Culture assinam no dia 10 de julho um protocolo de parceria estratégica para investigar, preservar e divulgar o sítio arqueológico Ribat da Arrifana, em Aljezur.

Classificado como Monumento Nacional, o Ribat da Arrifana é considerado uma das mais importantes descobertas arqueológicas do século XXI.

O protocolo que será assinado já na próxima quarta-feira, às 18h30, no Centro Ismaelita de Lisboa, prevê a criação de um grupo de trabalho técnico, que irá definir um plano de ação plurianual para a criação e gestão de um centro interpretativo do Ribat da Arrifana.

A parceria estratégica entre a área governativa da Cultura - através da Direção Geral do Património Cultural e da Direção Regional de Cultura do Algarve-, a Universidade Nova de Lisboa - através da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas e do Instituto de Arqueologia e Paleociências - e o Aga Khan Trust for Culture tem como objetivos garantir a proteção legal do sítio arqueológico, preservar o contexto paisagístico onde se insere, conservar o espólio arqueológico existente no local e promover a investigação académica.

O Ribat da Arrifana é referenciado como convento de monges guerreiros muçulmanos e começou a ser edificado em meados de 1130 da era cristã por iniciativa de Ibn Qasi, personagem histórica natural de Silves, líder da oposição aos Almorávidas e temporariamente aliado do primeiro rei de Portugal, D. Afonso Henriques.

Tendo em conta o valor histórico e arqueológico do Ribat da Arrifana, o acordo que será assinado contribui para a valorização inequívoca deste sítio e a sua fruição por um cada vez maior número de cidadãos.

A Senhora Diretora Regional, Professora Doutora Adriana Freire Nogueira, será uma das signatárias em representação do Ministério da Cultura.

terrenos plantioGuia de Sensibilização para a Salvaguarda de Património Arqueológico em Operações Agrícolas

A DGPC disponibiliza a partir do mês de julho, uma Brochura e um Guia de sensibilização para a salvaguarda de património arqueológico em operações agrícolas. Estes documentos procuram auxiliar os agricultores nos procedimentos de salvaguarda patrimonial a adotar aquando da submissão de um projeto.

Os documentos agora divulgados foram elaborados pelo grupo de trabalho de salvaguarda de património arqueológico em projetos agrícolas e florestais, composto por elementos da DGPC e das Direções Regionais de Cultura do Norte, do Centro, do Alentejo e do Algarve.

Ministra da Cultura e Ministro da EducaçãoPlano Nacional das Artes - Projeto Cultural de Escola 

Plano Nacional das Artes propõe a criação de um Projeto Cultural de Escola e um índice para medir impacto cultural das organizações

Um Projeto Cultural de Escola, um Índice de Impacto Cultural das Organizações ou a criação de uma Academia de cursos e formação para educadores e professores, são algumas das medidas propostas na estratégia do Plano Nacional das Artes (PNA).

Apresentado na manhã do dia 18 de junho, num evento em que participaram a Ministra da Cultura e o Ministro da Educação, o documento foi elaborado pela estrutura de missão do PNA, composta pelo comissário Paulo Pires do Vale e os subcomissários Sara Brighenti e Nuno Pólvora. Vai servir de base às atividades a desenvolver entre 2019 e 2024.

A estratégia do PNA está dividida em 3 eixos de intervenção: “Política Cultural”, “Capacitação” e “Educação e Acesso”.

Na área da Política Cultural, destaca-se a criação de um Índice de Impacto Cultural das Organizações, instrumento de medição que será desenvolvido em parceria com o Centro de Investigação e Estudos de Sociologia do ISCTE-IUL. À semelhança dos Índices de Impacte Ambiental, vai parametrizar e quantificar o impacto cultural das organizações (desde municípios a empresas privadas), promovendo e dando visibilidade ao contributo das artes e do património na qualidade de vida das comunidades.

O Plano propõe valorizar projetos com as comunidades, apoiando práticas artísticas a desenvolver com escolas, comunidades específicas ou excluídas, aproximando a arte e o património dos cidadãos, em particular das crianças e jovens.

No eixo Capacitação, será criada a Escola de Porto Santo na Região Autónoma da Madeira, um think thank sobre políticas internacionais e nacionais nas áreas da cultura e educação. Esta escola, concretizada em parceria com a Secretaria Regional da Educação da Madeira, a Direção Regional da Administração Pública do Porto Santo, a Câmara Municipal de Porto Santo e a Associação Porta33, terá também um programa de residências para artistas e investigadores.

O PNA inclui ainda apoios à investigação (Bolsas) e a publicação de linhas editoriais em parceria com a Imprensa Nacional Casa da Moeda. Ao nível da formação, o projeto Academia PNA prevê cursos para educadores, professores, mediadores culturais e artistas.

Na área dedicada à Educação e Acesso, de notar o Projeto Cultural de Escola, com a criação de um cargo de coordenador em cada agrupamento escolar ou estabelecimento de ensino, responsável por desenhar um programa cultural adaptado ao contexto, em parceria com as autarquias, as estruturas artísticas e a comunidade educativa. O programa será estruturado tendo em conta a diversidade sociocultural, patrimonial e artística do território de cada agrupamento.

Com o Projeto Artista Residente, os agrupamentos e escolas interessados podem receber um artista nas suas instalações. Durante o ano letivo, além de ter um ateliê na escola, o artista terá a responsabilidade de apoiar a comunidade educativa, introduzindo mais processos e práticas artísticas.

O PNA pretende robustecer as artes nas escolas como ferramenta para as várias disciplinas, propondo recursos pedagógicos que aproveitam as expressões artísticas para trabalhar conteúdos de Cidadania e Desenvolvimento. Esses recursos serão disponibilizados a professores e alunos no Portal do PNA, uma plataforma online que também fará o mapeamento da oferta cultural nas áreas da Arte, Educação e Comunidade.

Para divulgar os melhores projetos, o PNA vai realizar, já em 2020, o primeiro Festival – Bienal, dedicado a atividades, exposições e espetáculos sobre estas temáticas.

Além de ações previstas em contexto escolar, o plano contempla medidas que estimulam projetos culturais e artísticos com componentes formativas e intergeracionais, que contrariam a exclusão e o isolamento das populações e que envolvem os cidadãos seniores na fruição e criação artística.

O Plano Nacional das Artes é uma iniciativa das áreas governativas da Cultura e da Educação e será desenvolvido em parceria com a administração local, entidades privadas e a sociedade civil, tendo como missão dar um lugar central às artes e ao património na formação ao longo da vida.

O Plano Nacional de Leitura (PNL2027), a Rede de Bibliotecas Escolares, o Plano Nacional de Cinema, o Programa de Educação Estética e Artística, a Rede Portuguesa de Museus e o Arquivo Nacional do Som irão trabalhar em conjunto com o PNA, no sentido de articular e potenciar a ação destes programas.

A estratégia do PNA 2019-2024 pode ser consultada aqui

O Património cultural na Europa – Mapa interactivo

 

Saiba mais sobre o Ano Europeu do Património Cultural (2018) em http://anoeuropeu.patrimoniocultural.gov.pt/

Route

UMAYYAD Route

MELHORIA DA COESÃO TERRITORIAL MEDITERRÂNICA ATRAVÉS DA CONFIGURAÇÃO DE UM ITINERÁRIO TURÍSTICO-CULTURAL.